quarta-feira, dezembro 10

Brincadeiras Tridimensionais

No último encontro que tivemos da comunidade lisboeta de Ubuntu um tópicos que saltou para a mesa foi facilidade (ou dificuldade) de utilização dos programas de manipulação de imagem livres mais conhecidos. Neste tipo de discussão normalmente começar por um ponto muito simples, as ferramentas livres em vez de copiar as ferramentas proprietárias mais conhecidas na sua interface com o utilizador apresentam formas de utilização bastante distintas. Esta questão é para muitos um problema, mas creio que não deveria ser assim. A busca de novas formas de interacção, potencialmente melhores é algo de bom, e que deve ser estimulado em minha opinião.

Há dois exemplos clássicos para esta dicotomia. Nos programas de manipulação de imagem em duas dimensões os protagonistas da batalha são Gimp vs PhotoShop, no encontro uma das opiniões que vieram para a mesa era de que o Gimp tinha uma interface perfeitamente desejável, basta pensar que permite trabalhar em dois monitores. Com as ferramentas de um lado e a imagem que está a ser trabalhada do outro. Mas não me vou deter muito sobre isso, vou antes falar sobre ferramentas para geração de imagens tridimensionais. Hoje em dia o Linux é rei neste tipo de trabalho, os efeitos especiais de filmes multi-milionários são produzidos por render-farms com capacidades impressionantes, que correm o sistema operativo livre. No entanto são produzidas através de programas proprietários como o Maya. O seu equivalente livre mais conhecido é o Blender, que de novo, tem muitos críticos acerca da sua interface.

Foi pois com interesse e curiosidade, ainda com esta conversa fresca na memória, que descobri o apelo de uma das pessoas que colabora no desenvolvimento do Ubuntu. Ele precisava de um programa livre que funcionasse em Ubuntu, foi à procura, e recompilou alguns nomes pedindo a opinião aos frequentadores do seu blogue sobre eles. Mais tarde publicou os resultados da sua investigação. Um dos programas que lhe chamou a atenção foi o Art of Illusion, um programa em Java que portanto funciona em qualquer sistema operativo, extremamente simples e fácil de usar mas ao mesmo tempo bastante poderoso. Uma coisa que ajuda bastante a começar são os tutoriais que foram disponibilizados pela comunidade. Eu resolvi fazer o tutorial mais básico também, alguns passos simples para criar um relógio de areia. Posso dizer que fiquei extremamente impressionado comigo próprio e com o resultado, em cerca de uma hora tinha uma ampulheta com algumas falhas óbvias mas com muito bom aspecto mesmo assim.

Mas voltando ao projecto Blender, alguns artistas já tinham produzidos filmes de animação totalmente independentes usando a ferramenta. Mas aproveito para publicitar Yo Frankie, e o lançamento do primeiro jogo elaborado de base por uma equipa mista, em colaboração com pessoas do projecto Crystal Space. O jogo é totalmente livre para ser descarregado, jogado e modificado. Até à arte é acesso aberto, e os modelos que foram criados para povoar o jogo podem ser reutilizados por quem quiser. Como é isto possível perguntarão alguns, esta gente vai morrer de fome a trabalhar de graça. Existe alguma documentação que está disponível para consulta na Internet, além de alguns tutorais em vídeo no Youtube. Mas na loja online do Blender é possível comprar o DVD do jogo e uma miríade de livros que ensinam a fazer desenho tridimensional, animação e produção de jogos, trazendo a recompensa monetária para as pessoas que fazem este trabalho.

Talvez para os profissionais já com uma rotina de trabalho interiorizada isto não sirva. Mas para quem quer começar, ou simplesmente para os curiosos as ferramentas estão aí e são livres de usar. Só é necessário um pouco de imaginação. Deixo-vos com Big Buck Bunny, uma das personagens que nasceu através do software livre.

1 comentário:

risto disse...

Thanks for the link!