quinta-feira, dezembro 25

Muitos Parabéns J.C.

Já chegamos ao fim das Saturnálias, mas hoje em dia festa pagã foi esquecida e supostamente celebra-se o nascimento de Jesus Cristo (que por acaso até foi noutra data mas vamos fazer de conta que ninguém sabe). Como já disse antes, até simpatizo com ele. Acho que trazia boas ideias, tentou espalhar a tolerância e o respeito pelo próximo. É pena que os seus ensinamentos sejam usados à séculos para pregar a intolerância e a subjugação aos dogmas fabricados pela Igreja. Será que ele se puder realmente ver o que se passa no mundo estará contente com o uso que fizeram do seu nome e do seu legado? Triste? Revoltado talvez.

É esta mesmo a ideia que serve de base à historia de uma banda desenhada que descobri recentemente. Trata-se de um webcomic, uma espécie de rádio-novela que entrega mais um pouco da história a intervalos regulares. O autor explora de uma forma satírica a revolta do filho de Deus, que se farta de assistir desde o reino celestial às atrocidades cometidas na Terra. Sente-se impotente, sente que ele e seu pai trairam a humanidade, e decide voltar para emendar algumas coisas.

terça-feira, dezembro 23

O Legado Bush

Não sei o que ficará para a história, mas neste momento George W. Bush é um dos presidentes mais impopulares que os EUA já tiveram, e é também uma das personagens mais odiadas a nível internacional. O recente episódio em que um jornalista iraquiano lhe atirou os seus sapatos numa conferência de imprensa (sinal de desprezo na cultura local) é sintomático disso mesmo. O jornalista ficou automaticamente famoso, há suspeitas que foi espancado imediatamente a seguir e pesa sobre ele um processo judicial com perspectivas de muitos anos atrás das grades. Mas há muitos que o considerem um herói. A reacção foi imediata, as notícias e os comentários multiplicaram-se. E deram origem a uma série de curiosidades. Por exemplo existe um sítio web com a mensagem "obrigado por atirares o teu sapato" que recolhe agradecimentos personalizados, basta tirar uma foto com um sapato na mão e enviar. Também são extremamente populares os jogos baseados no incidente, a mecânica é extremamente simples, atirar vários tipos de sapatos ao Presidente em fim de carreira.

A tradição estado-unidense é construir uma biblioteca para albergar o espólio deixado por cada presidente que se reforma. A biblioteca Bush já foi projectada, mas presumivelmente vai ser um projecto conversador (em termos arquitectónicos). Mas o desafio lançado pelo The Chronicle of Higher Education foi das coisas mais originais que encontrei ultimamente. Os leitores são convidados a fazer um esboço na parte de trás de um envelope para o que poderia ser edifício que representasse a era Bush. Tiveram uma aderência massiva, e os projectos finalistas foram divulgados recentemente. Acho que há ideias geniais, pessoalmente a minha preferida é uma biblioteca que tem apenas uma fachada falsa, e por trás o edifício é um buraco no chão com um lago que reflecte as janelas no meio. Mas gostos e opiniões pessoais à parte, o que é certo é que está bem patente que os americanos querem mudar.


Obrigado ao Bruno por me chamar a atenção para esta pérola.

Fantasias de Natal

O coelhinho foi com o pai natal e o palhaço no comboio ao circo!

sexta-feira, dezembro 19

The Crash Course

A crise financeira e económica está-se a reflectir cada vez mais na vida do comum dos mortais. Há pessoas a perder o emprego, ou a fazer contas à vida para tentar descobrir como vão pagar a casa, o carro e os créditos pessoais. É certo que muita gente tinha, e tem, a ilusão de que é perfeitamente possível viver acima das suas possibilidades recorrendo à magia do crédito. A parte pior é quando o crédito esgota. Isso é parte do problema, mas realmente os verdadeiros mecanismos que regem os bancos e o sistema financeiro são desconhecidos para a maioria das pessoas. Por isso mesmo cada vez há mais gente interessada em saber como funciona a alta finança. Mais ou menos pelas mesmas razões o Zeitgeist transformou-se num furor, com inúmeras traduções para várias línguas, adendas e revisões. Para quem estiver interessado numa abordagem um pouco mais séria, sem sensacionalismo ou teorias da conspiração, recomendo esta série de vídeos produzidos por Chris Masterson.

Ready to learn everything you need to know about the economy in the shortest amount of time?

The Crash Course is a condensed online version of Chris Martenson's "End of Money" seminar.

terça-feira, dezembro 16

O Presente: Uma Dimensão Infinita

O BES resolveu abrir a sua colecção de fotografia aos olhos do público, sob o título de "O Presente: Uma Dimensão Infinita" é possível ver cerca de 300 fotografias no Museu Colecção Berardo até ao final de Janeiro. Fui até lá este fim de semana e confesso que apesar de ter gostado bastante de algumas fotos não fiquei muito impressionado no geral. Mas a iniciativa é de louvar, e agradecer ao BES que é o proprietário da maior colecção de fotografia em Portugal a iniciativa de partilhar o seu espólio de forma gratuita.

Ainda deu para participar num pequeno passatempo de Natal organizado pela loja do Museu, em que os visitantes eram convidados a participar na criação de um postal de Natal com a ajuda de Pedro Cabrita Reis.

segunda-feira, dezembro 15

Fim de Semana em Berlim

O fim de semana passado aproveitei para dar uma escapadela até Berlim. O destino foi escolhido um pouco à última hora para aproveitar as férias e as viagens de avião a baixo preço. Foi pena a estada ser tão curta porque adorei Berlim, dois dias não dão para nada. Uma capital cheia de cultura, de pessoas diferentes, orientada para a tolerância e a arte. Onde os edifícios gigantescos e de linhas inovadoras convivem com os o tributo aos clássicos. Uma cidade que soube reinventar-se muitas vezes em tempos recentes, foi destruída, re-construída, separada, reunida.

Com um pouco de sorte irei lá voltar. Tenho de agradecer aos nativos o acolhimento que fez mudar completamente a ideia que tinha da Alemanha e dos alemães (danke Birgit).

Together


You and me forever
We belong together
And we'll always endeavor
Through any type of weather

You want everything to be just like
The stories that you read, but never write
You've gotta learn to live and live and learn
You've gotta learn to give and wait your turn
Or you'll get burned

We wrote our names down on the sidewalk
But the rain came and washed them off
So we should write them again on wet cement
So people a long time from now will know what we meant

You want every morning to be just like
The stories that you read, but never write
You've gotta learn to live and live and learn
You've gotta learn to give and wait your turn
I'm only concerned

I'm adding something new to the mixture
So there's a different hue to your picture
A different ending to this fairytale
And no sunset into which we sail

You want everything to be just like The stories that you read, but you can't write You've gotta learn to live and live and learn
You've gotta learn to give and wait your turn
Or you'll get burned

The Racounters

quarta-feira, dezembro 10

Brincadeiras Tridimensionais

No último encontro que tivemos da comunidade lisboeta de Ubuntu um tópicos que saltou para a mesa foi facilidade (ou dificuldade) de utilização dos programas de manipulação de imagem livres mais conhecidos. Neste tipo de discussão normalmente começar por um ponto muito simples, as ferramentas livres em vez de copiar as ferramentas proprietárias mais conhecidas na sua interface com o utilizador apresentam formas de utilização bastante distintas. Esta questão é para muitos um problema, mas creio que não deveria ser assim. A busca de novas formas de interacção, potencialmente melhores é algo de bom, e que deve ser estimulado em minha opinião.

Há dois exemplos clássicos para esta dicotomia. Nos programas de manipulação de imagem em duas dimensões os protagonistas da batalha são Gimp vs PhotoShop, no encontro uma das opiniões que vieram para a mesa era de que o Gimp tinha uma interface perfeitamente desejável, basta pensar que permite trabalhar em dois monitores. Com as ferramentas de um lado e a imagem que está a ser trabalhada do outro. Mas não me vou deter muito sobre isso, vou antes falar sobre ferramentas para geração de imagens tridimensionais. Hoje em dia o Linux é rei neste tipo de trabalho, os efeitos especiais de filmes multi-milionários são produzidos por render-farms com capacidades impressionantes, que correm o sistema operativo livre. No entanto são produzidas através de programas proprietários como o Maya. O seu equivalente livre mais conhecido é o Blender, que de novo, tem muitos críticos acerca da sua interface.

Foi pois com interesse e curiosidade, ainda com esta conversa fresca na memória, que descobri o apelo de uma das pessoas que colabora no desenvolvimento do Ubuntu. Ele precisava de um programa livre que funcionasse em Ubuntu, foi à procura, e recompilou alguns nomes pedindo a opinião aos frequentadores do seu blogue sobre eles. Mais tarde publicou os resultados da sua investigação. Um dos programas que lhe chamou a atenção foi o Art of Illusion, um programa em Java que portanto funciona em qualquer sistema operativo, extremamente simples e fácil de usar mas ao mesmo tempo bastante poderoso. Uma coisa que ajuda bastante a começar são os tutoriais que foram disponibilizados pela comunidade. Eu resolvi fazer o tutorial mais básico também, alguns passos simples para criar um relógio de areia. Posso dizer que fiquei extremamente impressionado comigo próprio e com o resultado, em cerca de uma hora tinha uma ampulheta com algumas falhas óbvias mas com muito bom aspecto mesmo assim.

Mas voltando ao projecto Blender, alguns artistas já tinham produzidos filmes de animação totalmente independentes usando a ferramenta. Mas aproveito para publicitar Yo Frankie, e o lançamento do primeiro jogo elaborado de base por uma equipa mista, em colaboração com pessoas do projecto Crystal Space. O jogo é totalmente livre para ser descarregado, jogado e modificado. Até à arte é acesso aberto, e os modelos que foram criados para povoar o jogo podem ser reutilizados por quem quiser. Como é isto possível perguntarão alguns, esta gente vai morrer de fome a trabalhar de graça. Existe alguma documentação que está disponível para consulta na Internet, além de alguns tutorais em vídeo no Youtube. Mas na loja online do Blender é possível comprar o DVD do jogo e uma miríade de livros que ensinam a fazer desenho tridimensional, animação e produção de jogos, trazendo a recompensa monetária para as pessoas que fazem este trabalho.

Talvez para os profissionais já com uma rotina de trabalho interiorizada isto não sirva. Mas para quem quer começar, ou simplesmente para os curiosos as ferramentas estão aí e são livres de usar. Só é necessário um pouco de imaginação. Deixo-vos com Big Buck Bunny, uma das personagens que nasceu através do software livre.

domingo, dezembro 7

Caprichos

Esta semana estive de férias, e já fiz muitos quilómetros, ainda hoje voltei de Berlim. Mas falar sobre essa viagem ficará para outra ocasião. Hoje vou só falar sobre um desvio que fiz na semana passada ao regressar da Galiza. Nunca fui a Aveiro, nem conhecia as praias da zona, mas foi realmente um capricho genial que me fez sair da auto-estrada nessa placa. O dia que estava chato e chuvoso acabou por se revelar maravilhoso.

sexta-feira, novembro 28

Sexta-Feira Ainda Mais Negra

Há um ano falei aqui da sexta-feira negra, o dia que nos Estados Unidos e por consequência no resto do mundo se dá início a um período de luxúria consumista. A tradição está associada às compras de Natal, com a proximidade da época as grandes cadeias fazem promoções e ofertas. Algumas bem vantajosas, mas dizem os cínicos que os estabelecimentos comerciais aproveitam a euforia das pessoas para se livrar também do fundo de catálogo. Inclusive à pessoas que fazem filas à porta da lojas e centros comerciais para conseguir apanhar as pechinchas antes que esgotem.

Mas este ano realmente a dia fez jus ao apodo de negro, na sucursal de Long Island doa Wal-Mart um empregado temporário que vigiava a entrada foi literalmente espezinhado por uma multidão que irrompeu pela loja. Esta manada em debandada provocou ainda ferimentos em mais três pessoas, o responsáveis classificaram o incidente como tráfico... Quanto a mim não tenho mais qualquer comentário a fazer.

segunda-feira, novembro 17

Dar Um para Receber Um

Está quase a começar a edição deste ano do Give One Get One, uma campanha do portátil OLPC que permite nos permite comprar um dos pequenos portáteis. Na realidade vamos estar a comprar dois, mas um deles irá directamente para uma criança por esse mundo fora. Esta campanha já tinha ocorrido em moldes semelhantes no ano passado, a novidade é que o portátil agora também está disponível em qualquer sítio da Europa. Com garantia e sem problemas alfandegários, basta ir até à loja inglesa da Amazon e encomendar.

sexta-feira, novembro 7

A Verdade Sobre o BPN

O governo nacionalizou recentemente o BPN, a notícia saiu a público dando a impressão que se estava a fazer o mesmo que está a ser feito um pouco por toda a Europa, salvar uma instituição em dificuldades para salvar todo o sistema financeiro nacional. Mas a verdade é que o banco andava em dificuldades à bastante tempo, muito antes de todo o assunto do subprime vir a lume. A pura verdade é que toda a gente fechou os olhos às trapaças que andavam a ser perpetradas até ser tarde demais. Exactamente o que aconteceu no BCP. Onde estavam as entidades reguladoras? É essa mesma pergunta que faz Ricardo Costa no Diário Económico, a sua conclusão é simples:

Em Portugal é mais fácil levar um banco à insolvência do que vender uma bola de Berlim na praia.

quinta-feira, outubro 30

Intrepid Ibex

É precisamente hoje o lançamento da última versão do sistema operativo Ubuntu. Entre as novidades contam-se o suporte a cartões 3G para acesso à Internet, um utilitário simples e fácil de usar para montar o sistema numa caneta USB, e como sempre as últimas versões dos programas mais populares de software livre. A comunidade Ubuntu em Portugal irá organizar duas festas de lançamento a decorrer em parelelo, uma em Lisboa e outra no Porto para assinalar a ocasião.

Clunk no Music Box

Finalmente fui buscar as fotos que tirei na passagem dos Clunk e The Ratazanas no Music Box no passado dia 16. O concerto correu muito bem, apesar de o facto de ser quinta-feira não ajudar à casa cheia. Aconselho a quem ainda não conhece a uma audição dos The Ratazanas, que debitam um ska bastante descontraído. Os Clunk estiveram em boa forma... infelizmente tiveram azar no sábado seguinte no Paradise Garage.

Quanto às fotos, infelizmente os negativos a cores sofreram um acidente na revelação, e pouco há a fazer. As experiências a preto e branco funcionaram mas estiveram uma semana no laboratório para serem reveladas. Há por aí alguém que possa sugerir um laboratório de confiança e baratinho?

quarta-feira, outubro 29

Votos Trocados

As ultimas presidenciais americanas deixaram muitas dúvidas, houve um quase empate técnico. Mas houve a polémica sobre a auditoria de sistemas de contagem de votos automatizados que foram sendo introduzidos aos poucos nos EUA para facilitar a contagem de milhares e milhares de votos. Os Simpsons recentemente revisitaram esse estigma num dos seus episódios. Coincidência ou não, começaram a aparecer relatórios de eleitores que presenciaram o seu voto a mudar de Obama para McCain.

segunda-feira, outubro 27

Descobertas...

Às vezes as coisas que estão debaixo do nosso nariz passam-nos completamente ao lado. Foi o caso com a cantina Hare Krishna que existe na minha rua. Desde que me mudei para cá que já tinha notado estranhos movimentos no edifício, pessoas vestidas com túnicas cor-de-laranja e um forte cheiro a incenso. Como já tive oportunidade de comentar aqui sou agnóstico, mas não faço nenhum tipo de discriminação em relação a qualquer religião, só não suporto gente hipócrita. Por acaso até tenho uma certa simpatia pelas religiões orientais, porque normalmente pregam o respeito não só pelo próximo, mas também pela natureza.

Mas voltando ao tema da cantina, foi um colega de trabalho que me falou da sua existência, e me lançou o desafio para a visita. Nenhum de nós lá tinha entrado ainda, e um pouco a medo lá entramos para uma casa que de fora tem o aspecto de um prédio perfeitamente normal, nada que indique que se trata de uma casa de pasto. Mas lá dentro está à espera gente atenciosa e simpática, um menu macrobiótico e uma agradável esplanada onde se pode almoçar ou jantar longe do ruído e da balbúrdia citadina. Caso gostem deste tipo de comida ou tenham ficado apenas com curiosidade, basta dirigir-se ao 91 da Rua Dôna Estefânia. Adicionalmente, para os curiosos sobre a religião, podem aparecer ao domingo à tarde, ocasião onde se celebra uma festa com canto, dança, palestra e jantar. A ISKCON (Associação Internacional para a consciência de Krishna) tem muitas mais actividades em Lisboa, para saber mais é só passar pelo página web da delegação portuguesa.

sexta-feira, outubro 17

Festival Termómetro 2008

Amanhã no Paradise Garage vai decorrer a final do Festival Termómetro. Vão estar por lá o Manuel João Vieira, a Ana Free e as seis bandas finalistas, nas quais se incluem os Clunk.

quarta-feira, outubro 15

Subprime, A Última Gargalhada

A crise do subprime explicada de uma forma cómica por um banqueiro fictício, George Parr de seu nome. Basicamente um talk show encenado, o sketch é bastante engraçado e toca nalguns dos pontos fulcrais da crise. Além de aproveitar para relembrar a forma como o George Parr original se aproveitou dos negros desempregados e sem camisa para proveito próprio.

sexta-feira, outubro 10

Encontro Ubuntu-PT

Na próxima quinta-feira vai-se realizar mais um encontro da comunidade Ubuntu-PT. Um grupo de utilizadores (e colaboradores) do Ubuntu em Portugal. Tive oportunidade de comparecer no primeiro encontro, que correu bastante bem até. Todos os presentes exprimiram o seu desejo de continuar, e os organizadores tiverem a gentileza de fazer o convite para nos passarmos a reunir na terceira quinta-feira de cada mês. Se usam o Ubuntu ou qualquer outra distribuição, se têm algum problema que queiram ver resolvido, ou se simplesmente têm curiosidade por saber o que é o Software Livre, apareçam!

Magnífico Material Inútil

Os Pontos Negros aí há uns tempos lançaram o seu EP, e fizeram a coisa de uma forma bem simpática, disponibilizaram-no para download gratuito durante um tempo limitado. Eu descarreguei as músicas nessa altura e gostei bastante do som. Mais recentemente lançaram o seu álbum Magnífico Material Inútil que por estes dias passa bastante na rádio. Ontem passei pela loja para o comprar e posso dizer que não fiquei desiludido. Para alguns a música é demasiado parecida com algumas referências que vêm lá de fora, como The Strokes. A coisa realmente soa a rock dos 70, mas os rapazes têm a sua personalidade própria, as letras cantadas em português demonstram isso mesmo. Amanhã no Music Box em Lisboa!

quinta-feira, outubro 9

Daqui a uma semana no Music Box


Mais um pouco de publicidade descarada aos meus amigos, os Clunk, e também a uma sala de espectáculos que se tem vindo a esforçar para aparecer no roteiro musical da noite lisboeta. Vemo-nos por lá! Entretanto passem pela página dos Clunk no MySpace e oiçam os temas do EP que já lá estão disponíveis.

Magalhães e o Marketing Político

Todos conhecem Fernão de Magalhães (ou pelo menos já deviam ter ouvido falar). Foi o navegador português que empreendeu a primeira viagem de circum-navegação da Terra. Infelizmente não chegou ao fim, pereceu durante a heróica viagem que foi terminada pelo seu imediato espanhol, Juan Sebastián Elcano. Apesar de não ter visto o término do seu caminho, foi o primeiro a dobrar o estreito que ainda hoje é conhecido pelo seu nome, o Estreito de Magalhães.

Isto foi a introdução histórica, passemos aos dias de hoje, e falemos sobre como este nome foi subvertido para o marketing político. Decerto também já todos ouviram falar do computador Magalhães, que está a ser distribuído aos alunos do Ensino Básico. Trata-se na realidade de um computador Intel Classmate, o principal concorrente do OLPC. Apesar do que possa dizer o governo, a máquina não é produzida em Portugal, simplesmente é montada em Portugal. No entanto o negócio é positivo para ambas as partes, a Intel está a facturar por cada computador vendido, e o governo português pode dar ares de estar a seguir as ultimas tendências da pedagogia.

O governo devia-se preocupar menos com estas jogadas e mais com a qualidade do ensino. Até os apóstolos da tecnologia como Steve Jobs acham que o realmente necessário é dar bases de conhecimento fortes nos quais basear a aprendizagem. O resto virá por si só. Para qualquer criança é extremamente fácil pegar num computador e aprender a usar a internet. Se realmente queremos ter esperança de um dia vir a produzir tecnologia como o Magalhães em Portugal precisamos é que ensinem Línguas, Matemática, Física e Química às crianças. Não que nos venham atirar areia para os olhos.


Esta caricatura veio do blogue Anterozóide, ao qual aproveito para prestar a minha homenagem pelo trabalho que tem feito para denunciar a má Educação portuguesa.

quinta-feira, outubro 2

Baiona

Já há muito tempo que não ia dar uma das minhas voltinhas à Galiza. A pessoa que me leva lá não se encontrava lá, mas com o regresso do ano escolar ela voltou, e eu também. Como sempre aproveitei para passear e explorar um pouco. Tirei bastantes fotos, mas o destaque vai para as fotos que tirei em Baiona, um destino de férias bastante apreciado pelos portugueses. Aquilo está pertinho, e além disso tem muito para oferecer. A vila tem os traços medievais bem típicos de toda a Galiza mas uma fortaleza convertida a pousada mesmo ao lado da praia dá um toque especial a todo o conjunto. Mistura-se a típica vila turística cheia de turistas com a sua toalha de praia, com o turismo de luxo que vai atraído pelo património.

terça-feira, setembro 23

Siddhartha

A Google acaba de lançar três novas API's que permitem interactuar com o Gooogle Book Search, uma delas dá-nos a possibilidade de embeber um pedaço de um livro presente na enorme biblioteca do Google em qualquer página web. Infelizmente ainda não consegui pôr a coisa a funcionar aqui no blog.

Queria aproveitar a oportunidade para deixar a referência para um dos meus livros preferidos, ainda à pouquíssimo tempo o recomendei a alguém. Siddhartha de Herman Hesse é já um clássico da literatura, um cruzamento entre um livro de aventuras e um daqueles manuais de auto-ajuda. Uma viajem pela espiritualidade e pelas religiões orientais que vale a pena ler.

No entanto descobri que há uma versão do livro de livre acesso, disponível online, onde é possível fazer a leitura da totalidade do livro. É só irem até aqui.

segunda-feira, setembro 22

2 Anos d'O Bacalhoeiro

Recebi na semana passada a informação da festa do segundo aniversário do Bacalhoeiro, através da sua mailing list. Confesso que à primeira vista não me entusiasmou muito, mas um grupo de amigos desafiou-me para ir, falaram-me muito bem do sítio. E as atracções até eram interessantes. No sábado acabei por ir dar um passeio, e ir fazer um reconhecimento prévio do local da festa.

Os preparativos ainda estavam em curso, mas realmente fiquei impressionado com o sítio que encontraram para a festa, não conhecia ainda o Jardim do Torel apesar de se situa relativamente perto da minha actual morada. Mas é bem agradável, solarengo e com boas vistas. Fica ali para os lados do Campo dos Mártires da Pátria logo no início de uma rua que desce para a ginginha dos Restauradores. Aproveitei para tirar umas fotos ao final da tarde, e descansar poupando uma energias para a dita festa. E realmente foi uma bela festarola. Não assisti a todos os espectáculos, já não cheguei a tempo da pornografia dos anos 20... Mas assisti ao tecno-pimba dos Tocha Pestana, o duo romântico que suscitou um grande sucesso. A fechar as festividades veio o deejay Manu.

Fiquem com as fotos do Torel...

quinta-feira, setembro 18

Festa dos Capuchos 2008

Mais um ano, mais uma Festa dos Capuchos. Como no ano passado fiz a cobertura do acontecimento acompanhado de uma das minhas fiéis Lomos. E tal como no ano passado dediquei-me essencialmente a retratar as pessoas e a fazer experiências. Voltou-se a repetir a multi-exposição de um rolo. Voltaram a ir para o lixo montes de fotos. Mas creio que o resultado final até ficou engraçado. As minhas desculpas para quem serviu de modelo e não aparece!

terça-feira, setembro 16

Mini Me


Há por aí um monte de sítios web onde é possível fazer a nossa própria personagem do South Park. Nunca tinha ligado muito a coisa, porque até nem sou grande fã. Mas quando me mandaram a minha personagem fiquei mesmo encantado.

Este conceito não tem apenas a ver com o South Park. A consola Wii por exemplo tem algum de muito semelhante com os Mii's, a chave é dar a possibilidade a alguém sem conhecimentos de desenho ou ilustração de fazer uma caricatura de si próprio. Normalmente isto é feito através da composição de vários elementos pré-definidos que são escolhidos para encaixar com a nossa ideia. Além de ser fácil criar o avatar, tem de ser divertido, mas claro é sempre necessária alguma criatividade. Porque a chave da coisa é capturar elementos característicos de cada pessoa e transpô-los para o boneco.

Obrigado à Mónica, por me fazer encarnar num personagem que se parece realmente comigo!

sexta-feira, setembro 12

We're In This Together

The Fragile não é novo, mas hoje fui busca-lo ao baú, para ouvir esta música em repeat. Deparasse-me uma encruzilhada, sem saber que caminho escolher, pelo menos sei onde quero chegar. De uma forma ou de outra, hei-de encontrar a saída.

segunda-feira, setembro 8

Os Porcos

Países excitantes obtém acrónimos excitantes, pelo menos nos círculos financeiros. O Brasil, a Rússia, a Índia e a China, por exemplo, países em crescimento rápido, são chamados BRICS [tijolos], as próprias iniciais indicando um crescimento sólido. Outros países têm menos sorte. Vejam por exemplo, Portugal, Itália, Grécia e Espanha [Espanha], às vezes chamados PIGS [Porcos]. É uma alcunha pejorativa mas com muita verdade.

Vale a pena ler o resto, a notícia original veio num artigo do Financial Times de 31-8-2008. Podem encontrar a tradução completa do artigo em Português no Portugal Profundo.

Actualização: Parece que o Ministro Português da Economia, Manuel Pinho se sente "ofendido" com o teor da notícia. Questionado sobre um eventual protesto junto do jornal britânico, o ministro da Economia e Inovação optou por não revelar a intenção do Governo português.

terça-feira, setembro 2

Ajustamento da economia só com cortes nos salários

No outro dia saiu uma notícia com este título no Diário Económico, uma entrevista a um tal Pedro Ferraz da Costa. Não faço ideia de quem seja o cavalheiro. Pelo que consegui apurar gosta de andar metido em politiquices, e é de direitas. Mas posso dizer que fiquei com fraca opinião dele. Ou é pouco inteligente, ou extremamente ganancioso, provavelmente ambas. Deixo aqui o comentário que fiz ao artigo, mesmo a propósito hoje mesmo soube que as remunerações dos administradores das grandes empresas aumentaram no primeiro semestre do ano. A crise não é para todos afinal.

Realmente a nossa legislação laboral está muito desajustada, mas não admira. Por um lado temos os sindicatos que se tornaram forças de bloqueio, meros braços políticos de partidos ou grupos de interesse, que se sentam à mesa das negociaçãoes para garantir que o lobby que representam não saia mal parado. Por outro lado temos o patronato que continua a pensar com a mesma lógica datada de à 20 anos atrás. Continua a querer viver da mão de obra barata e de estratégias de mercado terceiro mundistas.

Só um exemplo de algo que eu gostava de ver mudada na Lei do trabalho, e que realmente beneficiaria a mobilidade dos trabalhadores. Na maioria dos países com legislação moderna o prazo de pré-aviso de despedimento por parte do trabalhador é de quinze dias. Aqui temos regras anacrónicas que dizem que esse aviso pode ir até dois meses...

Quanto a cortar nos salários concordo perfeitamente. Em Portugal verifica-se o maior desequilíbrio entre a remuneração dos trabalhadores e das chefias de alto nível. Deviam cortar nos salários de todos os administradores de meia tijela que há por aí, a maioria gente sem qualificações que está lá a segurar o tacho.

segunda-feira, setembro 1

Zombie in My Pocket

Aqui há tempos mostrei umas coisitas simples e engraçadas que se podem fazer com um computador, uma impressora, uma tesoura e um pouquinho de paciência. Este conceito de descarregar um pdf da net, imprimir e cortar para criar qualquer coisa parece que está a pegar, a estender-se e a polinizar outras áreas. Também há por exemplo máquinas fotográficas de papel prontas a montar (ainda vou falar mais disto qualquer dia). Ontem descobri mais uma ideia bastante gira, o print and play. Jogos de tabuleiro que são disponibilizados pelos autores de forma livre, tudo está disponível para descarregar, desde o livro de regras até ao desenho das peças. Depois é so imprimir e montar.

Costumo frequentar um blog sobre jogos casuais, jogos para PC que não necessitam muita dedicação, servem só para retirar uns minutos de entretenimento. Hoje em dia os jogos a sério são isso mesmo, demasiado sérios, exigem uma quantidade de esforço e tempo que não tenho. Foi ao ler sobre o jogo Zombie in My Pocket que fui introduzido ao tal conceito do print and play. Também gosto de me reunir com um grupo de amigos à volta de um jogo de tabuleiro. Mas este é um jogo solitário, em que lutamos contra uma infestação de zombies. Um jogo não dura muito tempo, entre 5 a 20 minutos (senão também não era casual) e surpreendentemente a mecânica de jogo funciona bastante bem. O jogo até tem boas críticas dos cromos dos jogos de tabuleiro. Se quiserem experimentar já sabem, preparem a tesoura e descarreguem o jogo e as instruções.

Lisboa Mágica 2008

No fim de semana além de vadiar um pouco e dormir bastante (parece que ultimamente não faço outra coisa) aproveitei para ver os espectáculos na rua, oferecidos pelo Lisboa Mágica. No domingo aproveitei para tirar algumas fotos. Não saiu nenhuma obra de arte, mas é giro recordar os magos entertainers. A maioria dos espectáculos a que assisti tinham mais de palhaçada do que de magia, mas precisamente na interacção com as crianças e o público em geral é que estava o ponto forte dos magos. Aplausos à iniciativa.

terça-feira, agosto 26

As Últimas Tardes de Verão

Agosto está a chegar ao fim, não se pode dizer que tenha sido um verão caloroso, mas o verão é sempre verão. As férias e os dias ensolarados sabem sempre bem. Hoje deixo um par de sugestões para estes últimos dias estivais aqui em Lisboa. Para quem ainda está de férias, ou para quem já está a trabalhar há coisas bem interessantes para fazer esta semana.

A primeira sugestão é o Lisboa Mágica 2008. Depois das duas edições anteriores terem sido recebidas com grande sucesso por parte do público Luís de Matos volta a convidar um punhado de colegas para virem animar as ruas de Lisboa. Infelizmente não consegui encontrar o programa desta iniciativa em local algum, no página da Câmara Municipal de Lisboa apenas se encontrar programa do ano passado... apenas sei que os espectáculos começam hoje e acaba no domingo. Podem ser vistos de forma livre e gratuita no Rossio, Largo de Camões, Largo do Chiado, Largo do Teatro São Carlos, Largo 1 de Dezembro, Largo de São Domingos, Rua Augusta, Rua Garrett e Praça da Figueira a partir do meio-dia nos dias úteis e a partir das 10.00 no fim-de-semana até às 22.00

A segunda sugestão é o Festival Internacional de Máscaras e Comediantes que vai decorrer no Castelo de São Jorge e no Museu da Marioneta, para este sim há um programa disponível, é só seguirem o link.

quinta-feira, agosto 21

The Dark Knight

Fui finalmente ver o cavaleiro negro, a última encarnação cinematográfica de Batman esta semana. Christopher Nolan depois de criar (e muito bem) o princípio do morcego parece que começou de uma folha em branco. Os filmes anteriores de Batman foram ignorados e qualquer seguimento cronológico ou das histórias dos personagens foi quebrado. Não é nada de chocante, afinal trata-se de banda desenhada, acontece a toda a hora. Especialmente com esta personagem que já teve inúmeras reinterpretações. Nolan está a criar o seu Batman, e francamente é o melhor Batman que já chegou às salas de cinema.

As nuances da personalidade torturada do vigilante foram muito bem recriadas. Mas há mais muito mais, dentro de todos os elementos que dão a atmosfera mais negra que algum filme do Batman teve, tenho de dar destaque a Heather Ledger. Depois de andar a fazer filmes de paneleiros o homem confirmou que era um actor tremendo. Comparado com este Joker psicótico e maníaco, o de Jack Nicholson era um menino do coro. Não vou revelar nada sobre o enredo, é bom demais para que eu faça esse atentado. Apenas vou dizer que o objectivo do arqui-inimigo de Batman é nada mais nada menos que a anarquia total, a destruição da civilização, e o mais brilhante é que é credível. Quando me levantei do assento estava maravilhado, veio-me imediatamente à cabeça a novela gráfica Arkham Asylum, uma grande obra prima dum género menor. E com efeito ao procurar comentários sobre o livro de quadradinhos pude ler que foi nele que Ledger se inspirou para criar uma das personagens mais terríveis da história do cinema.

segunda-feira, agosto 11

De Volta ao Activo

Sei que é um péssimo hábito deixar os meus leitores pendurados, por poucos que sejam. Mas todos os anos faço o mesmo. Entro em férias sem dizer nem ai nem ui, e depois acaba-se a escrita. Este ano não foi planeado, acabei por trocar o período de férias à última da hora. As férias essas foram curtas como sempre, não fiz nada do outro mundo.

Estive com os meus pais no Alentejo, aproveitei para ir espreitar de novo Monsaraz, que parece cada vez mais vital. É pena ainda não ter visto concretizado nenhum dos grandes projectos para o Alqueva, mas lá chegaremos. Pelo menos está a haver muito investimento na região.

Andei também aqui por Lisboa e arredores a servir de guia à minha cara-metade. Ela tinha especial vontade de voltar a Óbidos, eu não conhecia, por isso foi também parte do roteiro. Acabei com uma esta de cinco dias em Paredes de Coura, para o festival como é óbvio. Claro que ficaram alguns bons momentos para a posteridade, e muitas fotografias da treta que podem ver na minha área do Flickr.

sexta-feira, julho 18

Os Clunk no RibaRock

Parabéns aos Clunk pela vitória no festival RibaRock. Um concurso de bandas integrado na semana da juventude de Coruche. Depois da final ontem, vamos poder vê-los hoje de novo, no encerramento do festival onde vão fazer a primeira parte dos Wraygunn.

segunda-feira, julho 14

A Minha Escola

Não sei quem realizou deste vídeo, se alguém souber, ou se o autor ou autores lerem este pequeno apontamento quero exprimir a minha admiração! É impossível disfarçar o profundo sentimento de nostalgia que tenho ao ver estas imagens da minha escola, ainda antes de eu lá andar. Vê-se que toda a gente tem um look demasiado eighties e o vídeo não é lá muito profissional, mas admiro o tom de crítica. Adorei ver a malta no ginásio a jogar basketball com guarda-chuva. Aqui fica a Escola Secundária de Vila Viçosa em toda a sua glória dos oitenta filmada em vídeo 8.

Os Clunk no Bacalhoeiro

Há umas semanas os Clunk foram dar um concerto no Crew Hassan, uma cooperativa cultural na Rua das Portas de Santo Antão, ali pós lados do Ateneu e do Coliseu. Uma espécie de casarão abandonado que foi reabilitado e transformado, cada sala é uma obra de arte, com temática mais ou menos aleatória. O espaço em si é acolhedor e a decoração das salas dá um toque muito original. O saldo da noite acabou por ser muito alcoólico, como quase sempre, houve que censurar algumas das fotos para preservar a boa imagem dos envolvidos.

Os Clunk andam cheios de rodagem, e depois de terem ganho um concurso de bandas na Restart, esta semana têm um concerto em Coruche amanhã e outro aqui em Lisboa na Fábrica do Braço de Prata na quinta-feira.

quarta-feira, julho 9

Mais Impressões sobre o EEE

Ainda deu alguma luta, mas já tenho o meu EEE configurado a meu gosto. Instalei-lhe o Xubuntu, a versão leve do sistema operativo que controla a minha máquina principal. Apesar de haver muitos guias e tutoriais por aí, não aconselho a alguém sem conhecimentos técnicos básicos sobre o assunto a substituição do sistema operativo que vem de base. Ainda existem algumas questões que têm de ser resolvidas antes que seja tão fácil fazer a instalação como num sistema normal.

Mas isto não é motivo para preocupações. Para utilizadores não técnicos parece que o sistema Linux que vem de base serve perfeitamente. Até se está a fazer notar uma tendência estranha, parece que as donas de casa ao escolher uma computador ultra-portátil para comprar escolhem Linux, enquanto os geeks escolhem a versão mais cara com Windows XP. Utilizo a palavra estranha, porque foi com estranheza que notícia foi recebida, mas para mim faz todo o sentido. As donas de casa certamente serão mais pragmáticas que os cromos, preferem coisas que funcionem e pronto. Ninguém está à espera de descarregar shareware para pôr na torradeira, nem instalar o antivírus no aspirador, isso é coisa de gente que não tem mais nada que fazer.

Entretanto não consigo evitar sentir-me um pouco precipitado por ter ido a correr para a loja comprar o EEE. Vão chegar muito em breve a Portugal os Aspire One, a resposta da Acer ao EEE, que já vem equipado com os processadores Atom especialmente desenhados para este tipo de mercado.

terça-feira, julho 8

Evitámos um novo chiado

Esta semana houve um edifício que foi destruído por um incêndio na Avenida da Liberdade, o esforço dos bombeiros conseguiu conter a área ardida, diz-se que evitaram um novo desastre como o do Chiado. Como é apanágio dos portugueses todos nos lembrámos das desgraças passadas, à muito esquecidas, reacendeu-se o debate sobre o prédios devolutos nos nossos centros urbanos. Ao que parece na área deste incêndio existem cerca 65 mil metros quadrados de devolutos. Há quem diga que a solução passa por fechar os edifícios a sete chaves, e por a policias a fiscaliza-los. Uma solução perfeitamente idiota, daquelas que só serve para tapar o sol com a peneira, o verdadeiro problema é o aparente abandono de edifícios nos centros urbanos, e creio que a solução é exactamente a oposta. Já proferi a minha opinião sobre essa tema à bem pouco tempo.

segunda-feira, julho 7

Feira da Ladra

A feira da ladra é uma tradição lisboeta muito antiga que ainda hoje vive todas as terças e todos os sábados no Campo de Santa Clara, perto do Panteão Nacional. O nome alude aos amigos do alheio, e concerteza é possível encontrar por lá algum produto de origem mais dúbia. O mais que se via em tempos eram mesmo a pirataria de software, mas parece que a Assoft ultimamente em cima do assunto. Mas pode encontrar-se de tudo um pouco por lá, sobretudo muitas velharias. É um excelente sítio para coleccionadores porque estão lá sempre as moedas, os selos, os comics e os discos a encher as bancas. Também há roupa nova e usada e um monte de traquitanas inúteis mas possuidoras de um encanto anacrónico. Ainda sou do tempo em que a malta quando fazia limpezas em casa pegava na roupa velha e nos trastes, e ia até à feira para regatear a venda ou a troca.

quarta-feira, julho 2

Sem Playback

À tempos divulguei aqui as audições para o Concurso Sem Playback, pois é já amanhã que vai decorrer o concurso no Cabaret Maxime. Todos os nostálgicos da música portuguesa dos eighties estão convidados.

domingo, junho 29

Já tenho o meu EEE!

O EEE PC da Asus inspirou um novo mercado, o dos chamados ultra portáteis ou internet devices. Indo beber alguma inspiração ao XO o paradigma desta nova moda é a portabilidade e o baixo preço. O EEE tem especificações fracas, mas o que interessa é que é suficientemente poderoso para escrever documentos, consultar o mail, navegar na Internet ou até jogar. Para baixar ainda mais o preço é possível fugir ao monopólio da Microsoft e adquirir um EEE com Linux (que foi o que eu fiz obviamente).

O primeiro modelo saiu em Outubro do ano passado, mas só chegou agora a Portugal. Entretanto já sairam modelos novos, mas ero apenas o modelo mais básico está disponível com teclado português. Os inúmeros concorrentes que lhe seguiram as pegadas também ainda não estão à venda em Portugal. A situação não me agrada, mas já andava à espera demasiado tempo e acabei por comprar o EEE 700.

Estou muito contente, o EEE é ainda mais pequeno do que eu tinha imaginado, a construção parece ser sólida e ainda não me deu nenhum problema. Tenho ainda de instalar a minha distribuição favorita para me sentir mais em casa. A distribuição Linux que vem por defeito é muito simples e amigável, ou seja, está desenhada para utilizadores pouco experientes, eu preciso de algo mais. No entanto já está a cumprir a sua função, escrevi estas linhas enquanto tomava uma cervejola numa esplanada, tive foi de esperar para chegar a casa para ter rede e poder submeter o texto. Agora só falta que instalem wireless municipal em Lisboa! Podem ver a comparação com o meu portátil do trabalho...

sábado, junho 21

Okupa!

Aqui ao lado em Espanha auto-intitulam-se movimento okupa, a designação anglo-saxónica é squatting. O acto de ocupar um espaço ou propriedade sobre a qual não temos qualquer direito mas se encontra desocupado. A prática existe desde sempre mesmo no reino animal os exemplos já vêm de há milhares de anos, e a coisa sempre funcionou. Há países onde a tradição é muito forte, como na Alemanha, Holanda e Espanha, geralmente são associações ou movimentos que ocupam casas desocupadas para construir uma obra social. Inclusive há países onde a coisa está legalizada e é encorajada pela lei como na Holanda, onde é perfeitamente legal tomar posse de edifícios desocupados há mais de doze meses.

Andando pelo centro de Lisboa, podemos ver edifícios devolutos por todo o lado, portas e janelas emparedadas inclusive nas zonas mais ricas da cidade. Desperdício é a palavra que me ocorre em primeiro lugar, não sei se a causa é apenas especulação imobiliária, mas concerteza que tem qualquer coisa a ver com o assunto. Acho que precisamos de um movimento okupa português.

terça-feira, junho 17

Em Defesa da Língua Portuguesa

Já exprimi a minha opinião contra a recente tentativa de legislar sobre o modo como escrevo. Não sou o único a discordar desta medida, neste momento existe um movimento organizado que pretende levar o seu protesto perante o Parlamento. Foi estabelecida uma petição online que já recolheu o número de assinaturas necessário para levar o tema a discussão, inclusive já foram entregues ao Presidente da Assembleia da República. Entretanto os subscritores da petição continuam a acumular-se demonstrando o número de portugueses que discordam desta cretinice. É possível descobrir mais detalhes sobre esta petição e o movimento por trás dela no blog Em Defesa da Língua Portuguesa Contra o Acordo Ortográfico.

segunda-feira, junho 16

Um Conto Americano

Há alguns dias visitei finalmente ao Teatro Nacional D. Maria II, já desde há muito tempo que queria conhecer o teatro pensado por Almeida Garret. Já tinha andado pelo café e pela livraria do edifício, mas desde à muito que alimentava a curiosidade de me sentar numa poltrona e assistir a uma peça.

Foi precisamente na sala Garret que assisti à peça Um Conto Americano, adaptada a partir de um texto que originalmente era um conto para a rádio The Water Engine de David Mamet. A história é simples, muito simples até talvez e cheia de clichés. No entanto o tema que lhe serve de fundo não podia ser mais actual. Está ambientada em Chigago, nos anos 30, quando os americanos vivem mergulhados na Grande Depressão. Um jovem que trabalha como assalariado numa fábrica dedica-se ao ofício de inventor nas horas vagas, conseguindo desenvolver um motor que funciona apenas a água. Pensando que isso lhe trará fama e fortuna, e o livrará a ele e à família da miséria em que vivem dirige-se prontamente a um advogado de patentes. Mas a realidade não é tão cor-de-rosa, e a história acaba por ter um fim triste e sangrento com o protagonista a lutar por salvar a sua invenção.

Posso dizer que fiquei extremamente impressionado com a cenografia e todo o espectáculo em palco. Para isso contribuiu em muito a dimensão do palco e a qualidade da sala. Mas o que me chamou realmente a atenção foi o cenário, uma estrutura metálica única que se desdobra e roda sobre si de modo a seguir a história e os actores, trocando de ambiente num piscar de olhos. Isso e alguns efeitos cénicos para mim nunca vistos numa sala de Teatro como uma chuvada com água de verdade, nada de extraordinário, mas surpreendente na mesma. O texto apesar de não ter sido originalmente pensado para o formato teatral funciona muito bem. E os actores e figurantes também fazem um excelente trabalho a construir esta fantasia soturna e triste. A única peça do elenco que não me convenceu foi actriz principal, uma menina que já fez por aí umas telenovelas, mas que não sei se tem jeito para mais do que isso.

Em jeito de conclusão posso dizer que adorei a peça, a história é muito simples, mas além de ser extremamente actual olha com um olhar crítico a sociedade e como ela é controlada interesses económicos penalizando os comuns dos mortais muitas vezes. Creio que o nome escolhido para a adaptação portuguesa ao teatro deve qualquer coisa ao cliché do sonho americano, que aqui encontra a sua némesis.

sábado, junho 14

À Deriva no Santo António

Foi uma semana agitada por terras lusitanas, o boicote dos camionistas, as filas para a gasolina, as prateleiras dos supermercados a ameaçarem ficarem de prateleiras vazias. Mas tudo acaba por se resolver, o governo lá fez um acordo manhoso com as transportadoras de mercadorias. Entretanto chegaram as festas populares, aqui por Lisboa o Santo António já fez as pessoas esquecerem as dificuldades, pelo menos até segunda-feira. E claro, a selecção já está nos quartos de finais do Euro, somos um país em grande forma.

Claro que fui dar uma volta até à celebração, o que equivale a dar uma volta pelas ruas abarrotadas de gente na Lisboa antiga e tradicional. Tirei muitas fotos, às pessoas, às barraquinhas de cerveja e aos mangericos. Além disso, como sempre havia muitas velas dedicadas ao santo, quais seriam as preces que as mantinham acesas este ano? Conseguir o coração duma menina casadoira, ou conseguir chegar ao fim do mês?

sábado, junho 7

Festival de Títeres

Na semana passada alarguei o fim-de-semana e fui numa das minhas visitas à Galiza. Desta vez descobri por casualidade que estava a decorrer um festival de fantaches numa localidade perto da minha morada temporária. Assim lá fui eu visitar o Festival Internacional de Títeres de Redondela, sem saber muito bem o que esperar. A maioria das actuações eram na rua, gratuitas. Havia não só vários pequenos palcos distribuídos por toda a vila, também havia música, jogos e outras curiosidades como um porco gigante que era ao mesmo tempo atracção e palco.

Com internacional no nome os fantoches tinham de vir de vários países, Portugal também como é óbvio. O Brasil também estava representados. Vi vários espectáculos mas fiquei com pena de não ver um grupo que vinha do Sri Lanka e usavam os bonecos para narrar histórias tradicionais tocadas e dançadas. Mas foi impossível com tanta gente. Havia muitos espectadores sobretudo muitos petizes acompanhados pelos pais. Pelo que pude perceber os principais destinatários eram eles. Pelos vistos a iniciativa tem muito sucesso, cada actuação estava apinhada de gente. Tanta gente que quase não dava para ver os espectáculos, era preciso ir apanhar lugar antes de cada actuação. O sucesso foi merecido, fiquei com muito boa impressão. Vale a pena a visita, podem ver algumas fotos no meu álbum.

quarta-feira, junho 4

Concurso SEMPLAYBACK

Recebi um pedido de divulgação de um concurso que está a ser organizado por uma turma do curso de produção de eventos da Restart, e que até achei bastante original. O tema de fundo é a obra de Carlos Paião e música portuguesa dos anos 80.

Oito concorrentes interpretarão oito temas deste músico, contando com a participação de uma banda ao vivo que fará os arranjos e respectivas interpretações instrumentais. Haverá também dj's (Fernado Alvim e Gimba) e um tributo à vida e obra de Carlos Paião (projecção vídeo).

As audições para seleccionar os escolhidos para participar decorrerão a 5 de Junho (amanhã) no Cabaret Maxime. Os prémios não são nada de deitar fora, podem obter mais informação no MySpace do SEMPLAYBACK.

quarta-feira, maio 28

Mais Gasolina (continuação)

Falei à pouquíssimo tempo da escalada dos preços dos combustíveis, e de uma forma de tentar encontrar um sítio onde encher o depósito mais em conta. Hoje à meia-noite a Galp e a Repsol voltaram a subir os preços, pela vigésima vez este ano. Entretanto nos mercados internacionais está-se a dar a tendência inversa, o preço do petróleo desceu. Os preços tão altos começaram a doer no bolso dos consumidores nos EUA (um dos maiores consumidores do ouro negro), e as pessoas estão a deixar de conduzir e a utilizar mais os transportes públicos reduzindo a procura.

Será caso para dizer que por cá a Galp resolveu empreender uma acção pedagógica, espremer-nos o dinheirinho todo até aprendermos e começarmos a andar de transportes públicos.

terça-feira, maio 27

O Acordo Ortográfico

Os políticos acharam por bem legislar sobre a maneira como falamos e como escrevemos, querem por-nos a falar mal falar como se fala do outro lado do Atlântico. Qualquer dia estamos a ver na televisão o Sócrates a dizer "ei cara! tudo em cima?", mas como qualquer bom jurista pode dizer, legislar sobre a língua é escusado, as línguas estão vivas, e desenvolvem-se de forma natural e independente da vontade legislativa.

Entretanto lá por fora já dizem que nós os portugueses, ex-potência colonial, tivemos de ceder à globalização e admitir o facto que não somos nós que ditamos o que é o português, são os brasileiros porque são mais numerosos. Quer isto dizer que muito possivelmente em tempos próximos vamos ter de gramar com traduções mal-feitas, oriundas do outro lado do Atlântico nos livros, no software, em documentos oficiais... Arrepio-me de medo quando penso nisso, eu sou português e orgulho-me de falar e escrever de forma correcta.

sábado, maio 24

Mais Gasolina

Com os preços em alta, já toda a gente reparou que é cada vez mais caro andar de carro. Andavam por aí a falar num boicote à Galp, até agora não vi nada. Mas tenho uma boa sugestão, deixem o capitalismo funcionar, e comprem onde é mais barato. Afinal é muito fácil descobrir onde. O Mais Gasolina é um site onde é possível procurar os postos de abastecimento de combustível mais barato, em todo o país. A coisa foi bem feita ao estilo web 2.0, são os utilizadores que fornecem o conteúdo, e até tem integração com o Google Maps. Encontrei a dica no Portugal Profundo.

Direitos Humanos para a China

Com o aproximar dos jogos olímpicos a Amnistia Internacional está a tentar chamar a atenção para as violações dos direitos humanos em território Chinês. A campanha inclui muitas iniciativas, incluindo esta bonecada animada que mostra o que é que acontece por lá às vozes discordantes. Os bonecos são giros, a história é triste.

sexta-feira, maio 23

Clunk no Lounge (as fotos)

Finalmente fui revelar as fotos que tirei na noite do concerto dos Clunk no Lounge, além do concerto ficaram muitas outras coisas registadas. Nessa noite apanhei uma carraspana de respeito, e é natural que as fotos tenham saído um pouco... abstractas. No entanto há fotos que gosto muito, e definitivamente vou dar uma nova oportunidade ao Splitzer, o acessório da Lomo que permite recortar os enquadramentos, em combinação com o flash colorido abre enormes possibilidades. E é isso, apesar de ter desperdiçado metade da película (dois rolos que gastei nessa noite) até fiquei contente. O acaso dá sempre origem a qualquer coisa interessante.

quarta-feira, maio 21

Onde é que anda o Talento?

Concordo plenamente com o que diz Pedro Lomba no seu artigo de opinião no Diário Económico:

Fala-se muito em igualdade de oportunidades. Mas o problema não está na igualdade. O problema está nas oportunidades. São as oportunidades que precisamos de criar e distribuir. Portugal é um país em que os talentos se perdem porque poucos perdem tempo com os talentos.

Snow Crash

Hoje ao ler um artigo sobre as últimas novidades no Google Earth, a inclusão de uma layer com notícias do Google News, não pude deixar de pensar pela enésima vez na parecença cada vez maior com o globo terrestre pesquisável que aparece em Snow Crash um romance de ficção científica de Neal Stephenson. Não resisti à tentação de pôr-me à procura, e com efeito descobri que essa parecença não é obra do acaso. Pelos vistos a ideia vem do livro mesmo.

Tem personagens interessantes, é politicamente incorrecto, e está salpicado com humor. Além das qualidades literárias, teve realmente a capacidade de nos deixar entrever um pedaço de futuro. Espero bem que alguns outros elementos do livro nunca se venham a concretizar. Mas que mais vos posso dizer, peguem no livro e descubram uma face possível para o apocalipse capitalista.

quinta-feira, maio 15

Festa no Bacalhoeiro

No próximo sábado o Bacalhoeiro vai celebrar a inauguração do seu site web. Por enquanto só o blog é que está activo, o sítio oficial diz que ainda está em manutenção, por isso guardem a vossa curiosidade. Na festa vão actuar os meus amigos, os Clunk (por isso não percam), e Dj Balboa's Connection.

Os Jogos São para Toda a Gente

Sinais dos tempos que correm, neste pequeno excerto dum noticiário podemos ver como hoje em dia o público alvo das consolas e dos videojogos se alargou para outras faixas etárias para além da tradicional. Enquanto a Sony e a Microsoft se concentraram a fazer mais do mesmo, mais vértices, mais resolução, mais jogos de porrada. A Nintendo conseguiu fazer uma mudança de paradigma, tornar a interacção entre humano e máquina mais natural, e trazer o entretenimento em formato electrónico a toda a família. Já não é coisa de miúdos definitivamente. A acção de jogar pode trazer até efeitos benéficos, tanto psicológicos como físicos, retirando as pessoas da apatia e dando-lhes motivos para se sentirem entusiasmados com algo novamente.

Via blog do zefrank.

quarta-feira, maio 14

A Importância da Libertação Tecnológica

Hoje encontrei uma palestra que fala sobre tecnologia e a sua evolução no século XX, chama-se The Future of the Internet and How to Stop It, e ressalta a importância de não deixarmos que imponham limites e barreiras à inovação. De não deixarmos as tentações monopolistas e a perseguição do lucro, ou até os delírios orwellianos dos que nos governam, limitarem a liberdade individual. O tema pode parecer um pouco técnico mas a palestra é muito acessível e engraçada, além disso está muito bem ilustrada com exemplos dos passado recente. O orador é um professor da Escola de Direito de Harvard, Jonathan Zittrain, a falar para uma sala cheia de gente em Princeton em finais de Março. Ele é o autor de um livro com o mesmo nome e no qual a apresentação se baseia, e onde claro todo o tema é tratado com mais profundidade.

terça-feira, maio 13

Em Portugal a Lei é Só Para Alguns

Realmente quem pode, pode.

O primeiro-ministro, José Sócrates, o ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho, e vários membros do gabinete do chefe do Governo violaram a proibição de fumar no voo fretado da TAP que ligou Portugal e Venezula e que chegou às cinco horas da manhã de ontem a Caracas (hora de Lisboa, 23h30 na capital venezuelana). O assunto foi muito comentado durante o voo por membros da comitiva empresarial que acompanha Sócrates e causou incómodo a algum pessoal de bordo.

(...)

João Raio, supervisor do voo TAP, contactado pelo PÚBLICO ainda durante o voo, começou por dizer que aquele era “um voo fretado” e que “às vezes” aquelas situaçõs aconteciam. Questionado pelo PÚBLICO se era ou não proibido disse não ter dúvidas que era. “Às vezes há estas situações de excepção”. Contou então como as coisas aconteceram. “Algumas horas depois de o voo ter partido o ministro Manuel Pinho foi fumar. Ninguém me tinha perguntado se se podia ou não fumar. Fui falar com o comandante que não gostou da situação, mas que disse para arrranjar uma zona para fumar, se não ainda acabariam a fumar no 'cockpit'”.

Podem consultar a notícia no jornal Público.

quinta-feira, maio 8

Passeio pelas Rías Baixas

No passado fim-de-semana retornei à Galiza, aproveitei para visitar a minha cara-metade, mas também para fazer um pouco de turismo pela região. Fugindo um pouco aos grandes centros urbanos meti-me à estrada e andei de visita pelas Rías Baixas. Uma zona extremamente rica, tanto em recursos naturais como em beleza. Não admira que nesta costa recortada as actividades económicas principais parecem ser mesmo a pesca, a piscicultura e o turismo. Passei por vários sítios, a Illa de Arouza foi a minha primeira passagem, e foi a que me deixou mais boas recordações. Sem nada preparado saí à procura de um destino aprazível para passar um fim de tarde, a minha guia conduziu-me à ilha e acertou em cheio. A fotografia que deixo para ilustrar esta memória é justamente o pôr-do-sol nesse dia, na praia.

Já na jornada seguinte preparei-me conscienciosamente para passar o dia fora. Com o piquenique preparado e uma manta na mala do carro meti-me à estrada para um percurso mais longo. Passei pelo parque natural das Dunas de Corrubedo, mas não fiquei muito impressionado, sem dúvida o parque cumpre uma função de preservação muito importante mas realmente não tem grande coisa para ver. Estendi a manta para o piquenique ao lado duma cascata, a Fervenza da Madanela após ter perdido o percurso certo para o meu destino final. Já de barriga cheia voltei atrás, para o caminho certo. O Castro de Baroña é um assentamento fortificado, anterior aos romanos, que se ergue numa pequena península. Um pedaço de rocha enorme, sob o ataque permanente do mar, mas onde seguramente os habitantes se sentiam seguros de ataques humanos. A localização é realmente espectacular, embora as minhas fotos não lhe façam justiça.

Acabei um pouco entendiado de tanto andar de carro. As auto-estradas só ligam os grandes centros, e para nos movimentar-mos no resto do território galego é preciso seguir as pequenas estradas que atravessam todas as vilas, aldeias e casarios que houver entre o nosso ponto de partida e o de chegada. Mas valeu a pena descobrir a beleza imensa destas costas.

quarta-feira, maio 7

The Slip

Seguramente encorajado pelo sucesso das suas iniciativas anteriores Trent Reznor fez das suas outra vez e lançou outro trabalho dos Nine Inch Nails de forma gratuita na internet. O álbum chama-se The Slip, e também vai ter uma edição física, de momento a versão electrónica está disponível para download livremente.

Será isto o ponto de partida para uma revolução no modo como encaramos a distribuição de música? Eu gostaria de pensar que sim, que distribuição própria e autónoma eliminando os intermediários e as negociatas nos vai trazer mais qualidade e originalidade. Há muitas práticas duvidosas como as playlists radiofónicas contratadas, e os êxitos fabricados de tantas bandas que andam por aí que pouco mais têm que um palmo de cara, que só dificultam o contacto entre os verdadeiros músicos e o seu público.

Uma e Outra Vez

Foi apenas no inicio deste ano que descobri os Hot Chip. Ando um pouco atrasado já sei, ainda por cima a minha introdução foi Made in The Dark, o mais recente álbum de originais da banda inglesa de electropop. Escusado será dizer que o som que eles produzem me agradou muito, entre as canções feitas no escuro estão peças realmente boas. Depois de algumas semanas de escuta atenta decidi que tinha de escutar também o resto da discografia, ainda não consegui desencantar o primeiro, Coming on Strong. Mas fiquei maravilhado com o segundo, The Warning. Contem canções fantásticas, algumas delas que me soavam de algum lado (que eu já tinha ouvido seguramente nalgum dj set ou parecido), mas destaca sobretudo porque é um conjunto mais coeso e que faz sentido como um todo. Realmente não consigo deixar de o ouvir uma e outra vez. Até já dei por mim a pensar onde é que andaria com a cabeça há dois anos para me escapar o lançamento.

Clunk no Lounge

Na próxima sexta-feira, dia 9 de Maio estão todos convidados para ir ao Lounge. Os Clunk vão actuar, e em seguida haverá um set de Mário Valente. Eu vou lá estar como de costume, para fazer a cobertura fotográfica e para dar o meu apoio como fã.

terça-feira, maio 6

Ideias Estragadas

Já contei que no fim de semana alargado do 25 de Abril fui até casa, ao Alentejo. Só passei por Vila Viçosa umas horas, fui lá para estar com os meus pais, nada mais. Acontece que levei a minha LC-A+ atrás, cheguei cheio de vontade de tirar umas fotos aos campos alentejanos que já floriram, cobrindo-se de roxo e amarelo. Esqueci-me foi dos rolos, o que se revelou um problema. Encontrar algum sítio onde me vendessem película fotográfica foi bastante difícil, o comércio estava todo fechado a malta queria era descanso. Acabei por ir parar a uma loja de chineses, onde me venderam uns rolos fora de prazo. Até fiquei contente, comprei-os ao preço da uva mijona, e fiquei a imaginar as experiências que podia fazer com aquilo. Os resultados como era óbvio não foram esplendorosos, mas há algumas que têm um toque engraçado.